Questão de Ética na Advocacia 23 – Adv. Adriano Pinto

CONSCIENCIA SOCIAL POR INTERESSE
I.- Está na Folha de São Paulo deste domingo, 22.11.2020, a matéria abaixo:
São negros dois em cada três policiais assassinados no país
Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostram que a maioria (65,1%) dos 172 policiais assassinados em 2019, de folga ou em serviço, era negra. Uma junção de fatores explicaria o fato, diz o diretor da entidade. O primeiro deles, segundo Renato Sérgio de Lima, seria o de os policiais negros morarem em bairros periféricos, onde também vive a maioria negra morta em ações policiais e a que é alvo de homicídios e latrocínios. Oito em cada dez suspeitos mortos pelas forças de segurança são negros (79,1%); das vítimas de latrocínio e homicídio, são três em cada quatro (74,4%). “Os policiais negros moram onde moram os demais negros”, afirma Lima. O que leva a outro motivo para a estatística: agentes negros morrem mais, mesmo não sendo maioria na tropa. Há mais negros entre os praças do que entre os oficiais, que exercem funções de comando. Subalternos das corporações são os que ficam na linha de frente e, portanto, mais expostos à violência do meio.
II.- Como acontece com todos os outros temas sociais postos em relevo na comunicação de massa, nas frondosas formulações de imagens, notas publicas e eventos de entidades que, fundamentalmente, servem aos propositos politicos e corporativos de seus dirigentes, opera-se uma seletividade fisiologica nas proclamações invocadoras de consciencia social para os negros.
Para esses arautos da chamada consciencia negra, não interessa o que se tem na realidade social, mas, apenas fatos segregados dela que possam colocar em vitrine de aproveitamento politico.
É nesse contexto fisiologico que a OAB Nacional, por intermédio da Comissão Nacional de Promoção da Igualdade, promoveu Audiência Pública e Abertura do Mês da Consciência Negra – Novembro Negro no Sistema OAB.
Para exibição e sonoridade discursiva destinada a amortecer a consciencia dos advogados e cidadãos incautos, foi oferecido um rico programa de temas como Reflexos dos Direitos Humanos e a Garantia das Raciais na OAB; Exercício da Advocacia Negra nas Cortes Superiores e a Equidade Racial; e Ativismo Negro e seu Impacto sobre o Exercício da Advocacia; Equidade de Gênero e Raça/Reflexos Estruturantes no Sistema OAB; Importância do Censo como Política Afirmativa – Regulamento Geral da OAB art. 24 e 24-A e Provimento 95/2007; Relações Étnico-Raciais na Formação das Carreiras Jurídicas e A Advocacia Negra e as Cotas do Quinto Constitucional.
Enquanto isso, segue adormecida a CONSCIENCIAL SOCIAL PARA A ETICA DOS SEUS DESEMPENHOS E DE