Em reunião, comitê formado pela Assembleia Legislativa Ceará aponta aspectos sociais no litígio de território entre Ceará e Piauí

A questão envolve o território dos municípios de Granja, Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Ibiapina, São Benedito, Carnaubal, Guaraciaba do Norte, Croatá, Ipueiras, Poranga, Ipaporanga e Crateús, pretendidos pelo Piauí.

 A coordenadora do Comitê, deputada Augusta Brito (PCdoB), afirmou que todas as medidas jurídicas estão sendo acompanhadas e respondidas pelo Estado e é necessário que haja mobilização e ação conjunta. “Estamos tentando unir as forças, respeitando o sentimento de pertencimento das pessoas”, disse.

A parlamentar, que é da região da Ibiapaba, comentou que é possível sentir a angústia das populações da região com o litígio e, por isso, novas estratégias e informações precisam ser alinhadas.

As questões sociais, históricas, culturais e de pertencimento precisam ser levadas em consideração no processo de litígio territorial entre Ceará e Piauí, ressaltaram participantes da reunião virtual do Comitê de Estudos de Limites e Divisas Territoriais do Estado do Ceará da AL, realizada nesta sexta-feira (19/02).

O Comitê reuniu parlamentares, técnicos, prefeitos dos diversos municípios envolvidos para debater ações possíveis para acompanhar o processo jurídico que está no Supremo Tribunal Federal (STF). A ação, movida pelo Piauí, tem como foco uma área que impacta o território de 13 municípios cearenses.