Sobre pressa em homenagear – Adv. Adriano Pinto

Lendo o texto do amigo jornalista SABINO HENRIQUE postado hoje no Facebook com o titulo “PRESSA EM HOMENAGEAR” veio a minha lembrança criticas que fiz com respeito ao alvoroço laudatório para o falecido parlamentar ULYSSES GUIMARÃES.

A morte merece sentimentos, ainda que seja de respeito humanitário, mas, deve haver cautela em promover homenagens e atribuir méritos de serventia à sociedade e à cidadania.

Desfrutando prestigio político em São Paulo, ULYSSES GUIMARÃES, acumulou remunerações públicas de forma ilegítima, com ampla contestação da mídia da época.

Quando sobreveio o regime militar, de imediato, ULYSSES GUIMARÃES apoiou a substituição de JOÃO GOULART embora, depois tenha se postado em dissidência.

Em 1982, a sociedade brasileira começou a organizar a campanha das “diretas já”, e Ulysses Guimarães, veio a ser chamado de “Senhor Diretas” por presença nos comícios de oposição.

Em 1988, ULYSSES GUIMARÃES, que presidiu a Assembléia Nacional Constituinte e cunhou a expressão  “Constituição Cidadã” e, ao promover a impressão da carta constitucional pela gráfica do Senado para distribuição aos cidadãos conforme deliberação assemblear, fez um prefacio que depois foi retirado por reação de um senador gaucho.

Candidato a presidente da República em 1989, teve somente 4% dos votos válidos no primeiro turno, um percentual inferior ao do segundo e do terceiro candidatos mais votados, respectivamente Lula e Leonel Brizola. O segundo turno foi ganho por Fernando Collor de Mello.

Em 12 de Outubro de 1992, um helicóptero, emprestado por empresário, que transportava os casais Ulysses Guimarães e Severo Gomes, caiu após sair de Angra dos Reis, litoral do Rio de Janeiro, com destino a São Paulo, sendo que o corpo de Ulysses Guimarães não foi encontrado, mas sua morte foi oficialmente reconhecida.

É tanta  a divergência com seus MERECIMENTOS INSTITUCIONAIS que, surgiu forte polemica quando foi instalada na Câmara dos Deputados uma estatua sua, resultando na retirada para um outro destino.

Sendo assim, ainda falta apuração histórica para que se possa louvar e conceder homenagens, em nome dos brasileiros, a um político com essa trajetória.