Comissão aprova projeto que exige cartaz explicando como proceder em caso de engasgo

O Instituto José Frota (IJF) registra todo mês, a média de 100 atendimentos por obstrução de vias aéreas

Em reunião extraordinária virtual realizada pela Comissão Conjunta de Constituição, Justiça e Saúde, na manhã desta segunda-feira.16, foi aprovado o projeto de lei nº 22/2021, de autoria do vereador Danilo Lopes (Podemos), que trata da fixação de cartazes explicativos em locais destinados à alimentação, demostrando a aplicação da manobra Heimlich – técnica de primeiros socorros utilizada em casos de emergência por asfixia, provocada por um pedaço de comida ou qualquer tipo de corpo estranho que fique entalado nas vias respiratórias, impedindo a pessoa de respirar.

Na justificativa do projeto, o vereador destaca que, mensalmente, no Instituto José Frota (IJF), registra-se a média de 100 atendimentos por obstrução de vias aéreas. “Um simples folheto explicando a manobra estaria contribuindo para a redução dos danos causados pela situação de engasgo”, pontuou.

A manobra de Heimlich

Nesta manobra, utilizam-se as mãos para fazer pressão sobre o diafragma da pessoa engasgada, o que provoca uma tosse forçada e que faz com que o objeto seja expulso dos pulmões. A manobra foi inventada pelo médico estadunidense Henry Heimlich, em 1974, e pode ser praticada por qualquer pessoa, bastando que se siga corretamente as orientações

A tapotagem é um método de percussão que consiste na aplicação rítmica das duas mãos em forma de concha no tórax de quem tem Fibrose Cística. A técnica ajuda no deslocamento das secreções aderidas na parede brônquica e deve ser aplicada entre três e dez minutos.

A reunião da comissão conjunta teve a condução da presidente da Comissão de Saúde da CMFor, vereadora Cláudia Gomes (DEM) e presença dos vereadores Didi Mangueira (PDT), Gardel Rolim (PDT), Ronaldo Martins (Republicanos), Jorge Pinheiro (PSDB), PP Cell (PSD), Ronivaldo Maia (PT), Danilo Lopes (Podemos), Júlio Brizzi (PDT) e Paulo Martins (PDT).,