Comissão de Saúde da OAB CE coordena visita de inspeção a hospitais pediátricos de Fortaleza

A fiscalização teve o objetivo de apurar as circunstâncias dos atendimentos nas unidades desses hospitais.

A inspeção das estruturas hospitalares aconteceu em razão do aumento dos casos de síndromes respiratórias em crianças, que resultou na lotação de emergências pediátricas que realizam atendimento para casos de média e alta complexidade, que além do serviço para casos mais graves com nível de atenção terciária, se encontram com estruturas lotadas pelo aumento de demandas de quadros mais simples. Foram visitadas as unidades de emergência do Hospital Infantil Albert Sabin – HIAS, no bairro Vila União, assim como no Hospital da Criança de Fortaleza e na unidade pediátrica recentemente cedida ao HIAS na estrutura do Hospital e Maternidade Dra. Zilda Arns (Hospital da Mulher), respectivamente, localizados no bairro Jóquei Clube.

Além dos membros da Comissão de Saúde da OAB-CE, presidida pelo advogado e médico Ricardo Madeira, também estiveram presentes representantes do Ministério Público do Ceará, Secretaria da Saúde do Ceará, Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza, Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, Conselho Regional de Medicina do Ceará e  Conselho Estadual de Saúde.

Durante a visita foi constatado a lotação nas unidades, com uma demanda muito elevada nas unidades de emergência do Hospital Infantil Albert Sabin onde foi verificada a permanência de espera em torno de 3 à 4 horas para realização de atendimentos para crianças. Ressalte-se ainda a insuficiência encontrada pelas famílias nas unidades de atendimento básico e postos de saúde, locais onde deveriam acontecer o atendimento dos casos de síndromes gripais e arboviroses.

Durante a vistoria, representantes das unidades médicas apresentaram as medidas adotadas para intensificar a assistência ao público pediátrico. O Hospital Infantil Albert Sabin tomou algumas medidas, a unidade providenciou leitos extras, para isso realizou a suspensão de parte das cirurgias eletivas de menor gravidade e transferiu esses leitos cirúrgicos para internamento de crianças com síndromes respiratórias. O hospital ainda conseguiu espaço dentro do Hospital da Mulher, que para diminuir a superlotação, cedeu 60 leitos para atender pacientes transferidos do HIAS.

Em busca de cobrar soluções para a lotação das emergências pediátricas em Fortaleza em decorrência do aumento dos casos de síndromes respiratórias, a Comissão de Saúde da OAB-CE em parceria com a ALECE, irá realizar no dia 19 de maio, às 14h, uma audiência pública para discutir a situação. “Nós da Comissão de Saúde vamos promover no próximo dia 19 de maio uma audiência pública onde nós deveremos chamar os dois secretários de saúde para que nos apresente um Plano de Contingência em relação à situação emergencial dessas síndromes gripais e principalmente em relação ao aumento do quantitativo de leitos para acomodar essas crianças”, informou Ricardo Madeiro.